terça-feira, abril 07, 2009

ALTERMODERNIDADE

E porque a Sónia há uns tempos tentou tranformar este blog numa plataforma de discussão (aberta ou semi-aberta, nunca pensámos nisso) sobre a arte em geral e sobre tudo o que nos interessar em particular, e porque essa nobre tentativa não vingou, eu volto hoje a lançá-la. E começo com um artigo do Ipsilon de há umas duas ou três semanas (confesso que li na sala de espera do dentista):

O pós-modernismo morreu, viva a altermodernidade
(Clicar  para ler o artigo)

"Na trienal da Tate, em Londres, um francês abriu nova etapa na discussão sobre a identidade da cultura e dos artistas de hoje. Modernos ou pós-modernos, quem somos? Nem uns nem outros, antes seres de uma nova era em que se age e cria a partir de uma visão positiva de caos e complexidade. A altermodernidade, segundo Nicolas Bourriaud."


<< O "flâneur", aquele que percorre a cidade, deixando-se perder na sua observação. Isto era no século XIX, hoje as cidades não chegam - o "flâneur" de uma altermodernidade corresponderá a um nómada global, ou, em rigor, a um errante cultural, aquele que procura o inverso do enraizamento absoluto, ou seja, aquele que põe as suas raízes em movimento, encenando-as em contextos e formatos heterogéneos, negando-lhes qualquer valor como origem, traduzindo ideias, transcodificando imagens, transplantando comportamentos, trocando, mais do que impondo. Um nómada cultural que transforma a "flânerie" numa técnica de geração de criatividade e conhecimento.

"E se a cultura do século XXI fosse inventada a partir daqueles trabalhos que se lançam a si mesmos o desafio de apagar as suas origens e falar de multiplicidades de enraizamentos sucessivos ou simultâneos? Este processo de rasura", diz Bourriaud, "é parte da condição do errante, uma figura central da nossa precária era e que aparece insistentemente no coração da criação artística contemporânea." Uma figura, diz ele ainda, acompanhada por um modo ético predominante: a tradução.>>


Será que vale a pena definir já uma identidade para o que somos no agora? Será ao menos pertinente? Se os Beirut (lembro-me de ver a foto deles na edição em papel, na página deste artigo) são Altermodernos, será que o Há-Que-Dizê-Lo também o é?

A Sónia Balacó encontra-se em Londres, onde irá investigar melhor o assunto e tentar, inclusivé, tomar o chá das cinco na Starbucks com Nicolas Bourriaud. Patricia Couveiro irá em missão especial à capital Inglesa onde visitará a trienal da Tate, entre uma ida ao Museu de Cera e uma sessão fotográfica com os guardas do Buckingham Palace.

2 comentários:

Couveirinha disse...

já está quase tudo a postos, sr.comandante.
o Billy também já está preparado.

Sónia Balacó disse...

A Sónia está cansada.